O que é o Espiritismo?

Allan Kardec

Voltar ao Menu
160. Em que consistem os sofrimentos da alma depois da morte? Irão as almas criminosas ser torturadas em chamas materiais?

A Igreja reconhece perfeitamente, hoje, que o fogo do inferno é todo moral, e não material; porém, não define a natureza dos sofrimentos. As comunicações espíritas colocam os sofrimentos sob os nossos olhos, e, por esse meio, podemos apreciá-los e convencer-nos de que, apesar de não serem o resultado de um fogo material, que efetivamente não poderia queimar almas imateriais, eles, nem por isso, deixam de ser mais terríveis, em certos casos.

Essas penas não são uniformes: variam infinitamente, segundo a natureza e o grau das faltas cometidas, sendo quase sempre essas mesmas faltas o instrumento do seu castigo; é assim que certos assassinos são obrigados a conservarem-se no próprio lugar do crime e a contemplar suas vítimas incessantemente; que o homem de gostos sensuais e materiais conserva esses pendores juntamente com a impossibilidade de satisfazê-los, o que lhe é uma tortura; que certos avarentos julgam sofrer o frio e as privações que suportaram na vida por sua avareza; outros se conservam junto aos tesouros que enterraram, em transes perpétuos, com medo que os roubem; em uma palavra, não há um defeito, uma imperfeição moral, um ato mau, que não tenha, no mundo espiritual, seu reverso e suas consequências naturais; e, para isso, não há necessidade de um lugar determinado e circunscrito. Onde quer que se ache o Espírito perverso, o inferno estará com ele.

Além dos sofrimentos espirituais, há as penas e provas materiais que o Espírito, se não está depurado, experimenta numa nova encarnação, na qual é colocado em condições de sofrer o que fez a outrem sofrer; de ser humilhado, se foi orgulhoso; miserável, se avarento; infeliz com seus filhos, se foi mau filho etc.

Como dissemos, a Terra é um dos lugares de exílio e de expiação, um purgatório, para os Espíritos dessa natureza, do qual cada um se pode libertar, melhorando-se suficientemente para merecer habitação em mundo melhor. (Ver O livro dos espíritos, questão 237: “Percepções, sensações e sofrimentos dos Espíritos”; Idem, Parte Quarta: Das esperanças e consolações, cap. I, Das penas e gozos futuros; Revista espírita, março de 1858, O assassino Lemaire; Idem, junho de 1858, O suicida da Samaritana; Idem, dezembro de 1858, Sensações dos Espíritos; Idem, outubro de 1859, O pai Crépin; Idem, fevereiro de 1860, Estelle Riquier; Idem, agosto de 1860, O suicida da rua Quincampoix; Idem, outubro de 1860, O castigo; Idem, dezembro de 1860, Entrada de um culpado no mundo dos Espíritos, Castigo do egoísta; Idem, fevereiro de 1861, O suicídio de um ateu; Idem, setembro de 1861, A pena de talião.)

TEXTOS RELACIONADOS

Mostrar itens relacionados
Aguarde, carregando...