Revista Espírita - Jornal de estudos psicológicos - 1858

Allan Kardec

Voltar ao Menu

UMA NOVA DESCOBERTA FOTOGRÁFICA

Vários jornais relataram o fato seguinte:

“O Sr. Badet, falecido a 12 de novembro último, após uma enfermidade de três meses, costumava, segundo o Union Bourguignonne, de Dijon, toda vez que lhe permitiam as forças, postar-se a uma janela do primeiro andar, com a face constantemente voltada para a rua, distraindo-se em ver os transeuntes. Há alguns dias a Sra. Peltret, cuja casa fica em frente à da Viúva Badet, percebeu numa vidraça da janela o próprio Sr. Badet, com seu boné de algodão, seu rosto emagrecido etc., enfim tal qual o vira durante a doença. Grande foi sua emoção, para não dizer mais nada.

“Não só chamou os vizinhos, cujo testemunho poderia ser suspeito, mas ainda homens respeitáveis, os quais viram mui distintamente a figura do Sr. Badet no vidro da janela à qual costumava ficar. Mostraram essa imagem à família do defunto, que imediatamente deu sumiço no vidro.

“Ficou todavia comprovado que no vidro estava reproduzida a imagem do doente, como que daguerreotipada, fenômeno só explicável se do lado oposto da janela houvesse uma outra, por onde os raios solares pudessem ter chegado ao Sr. Badet. Mas não existe tal janela. O quarto possui apenas uma. Esta a verdade nua e crua sobre esse caso admirável, cuja explicação deve ser pedida aos sábios.”

Confessamos que, ao ler a notícia, nosso primeiro impulso foi o de considerá-la vulgar, como se faz com as notícias apócrifas. A ela não ligamos a menor importância. Poucos dias depois, o Sr. Jobard, de Bruxelas assim nos escrevia:

“À leitura do fato que se segue” (o que acabamos de referir), “passado em minha terra e com um de meus parentes, dei de ombros ao ver o jornal que o relata remeter aos sábios a sua aplicação e ver que essa boa família retirara a vidraça, através da qual Badet olhava os transeuntes. Evoquem-no, para ver o que ele pensa.”

Esta confirmação do fato por um homem do caráter do Sr. Jobard, cujos méritos e honorabilidade todo mundo reconhece, e a circunstância especial de ser o herói um de seus parentes, não nos poderiam deixar dúvidas quanto à veracidade. Em consequência disto evocamos o Sr. Badet na sessão da Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas, a 15 de junho de 1858, terça-feira. Eis as explicações obtidas:

1. ─ Peço a Deus Todo-Poderoso permitir que venha comunicar-se conosco o Espírito do Sr. Badet, falecido em Dijon, a 11 de novembro último.

─ Eis-me aqui.

2. ─ É verdadeiro o fato que vos concerne e que acabamos de relembrar?

─ Sim, é verdadeiro.

3. ─ Poderíeis dar-nos a sua explicação?

─ Existem agentes físicos que são ainda desconhecidos, mas que mais tarde tornar-se-ão comuns. É um fenômeno muito simples, semelhante a uma fotografia produzida por forças que ainda não descobristes.

4. ─ Poderíeis, por vossas explicações, precipitar essa descoberta?

─ Eu gostaria, mas isto é tarefa de outros Espíritos e trabalho humano.

5. ─ Poderíeis reproduzir outra vez o mesmo fenômeno?

─ Não fui eu quem o produziu. Foram as condições físicas, independentes de mim.

6. ─ Por vontade de quem e com que objetivo produziu-se o fato?

─ Produziu-se quando eu era vivo, e independentemente de minha vontade. Um estado particular da atmosfera o revelou depois.

Tendo-se estabelecido uma discussão entre os assistentes, relativamente às causas prováveis do fenômeno, e emitidas várias opiniões sem que ao Espírito tivessem sido feitas outras perguntas, disse esse espontaneamente:

─ E não levais em conta a eletricidade e a galvanoplastia, que agem também sobre o perispírito?

7. ─ Ultimamente disseram-nos que os Espíritos não têm olhos. Ora, se essa imagem é a reprodução do perispírito, como foi possível reproduzir os órgãos da visão?

─ O perispírito não é o Espírito. A aparência, ou perispírito, tem olhos, mas o Espírito não tem. Bem que eu vos disse, falando do perispírito, que eu estava vivo.

OBSERVAÇÃO: Enquanto esperamos que essa nova descoberta seja feita, dar-lhe-emos o nome provisório de fotografia espontânea. Todo mundo lamentará que, por um sentimento difícil de compreender, hajam destruído o vidro sobre o qual se havia reproduzido a imagem do Sr. Badet. Tão curioso monumento teria facilitado as pesquisas e as observações para o adequado estudo da questão. Talvez tivessem visto nessa imagem uma arte do diabo. Em todo caso, se de alguma sorte o diabo está metido nisso, é seguramente na destruição do vidro, porque ele é inimigo do progresso.



TEXTOS RELACIONADOS

Mostrar itens relacionados
Aguarde, carregando...