Revista Espírita - Jornal de estudos psicológicos - 1858

Allan Kardec

Voltar ao Menu
O DESPERTAR DE UM ESPÍRITO


Que bela é a Natureza e como é doce o ar!

Senhor, graças te dou, de joelho a te louvar!

Possa o hino feliz do meu reconhecer

Como o incenso subir ao Supremo Poder;

Assim, ante o olhar das irmãs em aflição,

Fizeste sair Lázaro do seu caixão;

De Jairo consternado a filha bem amada

Foi no leito de morte por ti reanimada.

Também, Deus poderoso, me estendeste a mão;

Levanta-te! disseste, e não falaste em vão.

Por que ser, ai de mim, de lama um vil arranjo?

Eu queria louvar-te com a voz de um anjo;

Tua obra jamais me pareceu tão pulcra!

Para aquele que sai da noite do sepulcro

É que o dia se mostra puro e a luz brilhante,

O sol é mais radioso e a vida embriagante.

O ar é então mais doce do que o leite e o mel,

Cada som é uma voz entre os coros do Céu.

A voz mansa dos ventos faz uma harmonia

Que se torna infinita e no espaço se amplia.

O que a Alma concebe ou fere os olhos seus,

O que se pode ler sobre o livro dos Céus,

Pela extensão dos mares, nos leitos profundos,

Em todos os oceanos, abismos e mundos,

Tudo se curva em esfera e sentimos que dentro

Seus raios convergentes têm Deus como centro.

E tu, que o teu olhar planas sobre as estrelas,

Que te ocultas no Céu como um rei, que te velas,

Qual é a tua grandeza, se o vasto Universo

É aos teus olhos um ponto, e o espaço submerso

Dos mares é um espelho da tua esplendência?

Qual, pois, tua grandeza, qual a tua essência?

Que tão vasto palácio construíste, ó Rei!

Os astros não separam a nós de ti, bem sei.

O sol rola a teus pés, poder que não se talha,

Como o ônix que um príncipe traz na sandália.

E o que mais admiro em ti, ó Majestade,

Bem menos que a grandeza, é tua imensa bondade

Que a tudo se revela, luz que resplandece,

E que a um ser impotente escuta e atende a prece.

JODELLE

NOTA: Estes versos foram escritos espontaneamente, por meio de uma cesta tocada por uma senhora e um menino. Pensamos que muitos poetas honrar-se-iam de sua autoria. Eles nos foram enviados por um dos nossos assinantes.

TEXTOS RELACIONADOS

Mostrar itens relacionados
Aguarde, carregando...